segunda-feira, 18 de setembro de 2006

Fastios... ...

Muito se tem rugido contra Sua Santidade. Agora, até já os muçulmanos exigem desculpas formais de Bento XVI...
Entendamos o problema: o Papa afirmou que a fé não se deve expandir "com a espada", como incitou Maomé.
Caíram-lhe os infiés em cima.
Em seguida, Sua Santidade declara que esta não é a sua própria opinião...
Ora portanto, venha de lá a espada.
E o Mundo aguardará o regresso do Tribunal do Santo Ofício.
Entre os Guelfos e os Gibelinos (se alguém me entende), escolho os segundos. Mas um tribunal religioso no século XXI... obriga, no mínimo, a pensar um pouco...

8 Comments:

At 19/9/06 20:31, Blogger Santos R. Queiroz said...

Estão as posições tão invertidas...

Sempre serei um "guelfo". Mas um guelfo dum papa que não cede aos infiéis o direito de opinar e decidir.
Corremos o risco de sermos gibelinos por obedecermos ao Papa, tal é o estado do "politicamente correcto".

Mais confusão lançada pelos nossos amigos do Crecente...

 
At 19/9/06 21:44, Blogger Menestrel said...

Caro Queiroz:
Poderá, com todo o direito, designar-se de "guelfo", mas nunca perca de vista que foi o Imperador Romano a delegar no Papa o título de "Pontifex Maximus"... por isso, o poder espiritual decorre do temporal e não o contrário.

Em termos medievais não aceito que o Papa possa depor o Rei (senão em casos específicos: "rex in regno suo imperator est"!).

De qualquer maneira, concordo consigo que temos de ser "guelfos" até certo ponto(e não gibelinos (extremados) como escreve)para defender o nosso líder espiritual. Caso contrário, não nos podemos dizer católicos apostólicos romanos.

Saudações!

 
At 19/9/06 22:10, Anonymous rosenberg said...

Venha de lá a Inquisição!

cumpriments

 
At 20/9/06 12:48, Anonymous Buabá said...

Um Papa nazi e ponto final.
Muçulmanos embeiçados na idade medieval e em conquistar o que não lhes pertence. Parágrafo.

 
At 20/9/06 16:23, Blogger Santos R. Queiroz said...

Caríssimo Menestrel, disse-o enquadrado no contexto actual, em que a defesa do papa não é (entendo-o) a defesa de pretensões ao poder temporal, mas a defesa da existência do poder espiritual (e ao seu reconhecimento, visto que Bento XVI opinou acerca de questões da Fé) face à ditadura do poder das massas (não sei se poderá ser considerado temporal, mas se o fôr, é de natureza diferente. Creio que percebeu o que disse.

Não comentei o meu guelfismo em termos medievais. Deixo isso a quem viveu nessas eras, pelas quais não estou particularmente "embeiçado" (cit. Buabá).

Saudações.

 
At 19/10/06 11:55, Anonymous Carlos Portugal said...

Caríssimo Menestrel: Mas o Tribunal do Santo Ofício continua a existir! Sob o nome de Congregação pela Doutrina da Fé, liderada pelo então cardeal Ratzinger, chegou já a lançar excomunhões...

Embora seja católico, como Português que me prezo, acho realmente perturbante esta ideia de continuar a existir um tribunal religioso em pleno século XXI. Lembra-me o contraponto islâmico; só que eles ainda estão no ano 1384 da Hégira...

Abraço

 
At 19/10/06 17:10, Blogger Menestrel said...

Caríssimo Carlos Portugal:
compreendo a sua analogia à Congregação pela Doutrina da Fé; mas de certo sabemos que, a instituição de hoje, se trata apenas de uma mera sombra do que foi o temerário poder do Tribunal do Santo Ofício.

O que eu queria dar a entender com o post (e que os meus leitores sublimentemente compreenderam) é que o nosso Papa tem uma inclinação para a restauração de um eventual poder estreitamente herdeiro da Santa Inquisição. Vamos ver o que aí vem!

Abraço.

 
At 19/10/06 23:45, Anonymous Carlos Portugal said...

Sem dúvida alguma, Caríssimo!

A ver vamos...

Um abraço.

 

Enviar um comentário

<< Home